Câncer de Pênis

O pênis é o órgão sexual masculino e faz parte do sistema urinário. É formado por dois corpos cavernosos e um corpo esponjoso e é dividido em três partes: a cabeça, chamada glande é a parte mais sensível, o corpo e o escroto.

O câncer de pênis geralmente tem início na glande e a lesão costuma ser indolor ou pouco dolorosa. Com o passar do tempo, o tumor se espalha pelo interior do órgão e atinge os gânglios linfáticos da virilha e abdome. 

Cada tecido do pênis contém vários tipos de células e, por isso, diferentes tipos de câncer de pênis podem surgir a partir dessas células:

  • Carcinoma de Células Escamosas

  • Adenocarcinoma

  • Melanoma

  • Carcinoma basocelular

  • Sarcoma

Informe-se sobre outros tipos de câncer:

 

O desenvolvimento do câncer de pênis tem relação direta com a má higiene íntima e com a falta de circuncisão e fimose (homens que não removeram o prepúcio, pele que reveste a glande – a “cabeça” do pênis).  Os fatores são:

Má higiene da área íntima

 

Ausência de circuncisão no nascimento

 

Fimose: dificulta a higiene e pode levar ao acúmulo de bactérias e outras secreções conhecidas como esmegmas.

Idade: a maioria dos casos é observada em homens de 50 a 70 anos de idade. Cerca de um terço tem menos de 50 anos.

Tabagismo

Papilomavírus humano (HPV): o HPV 16 e o HPV 18 têm maior relação ao câncer de pênis


AIDS (síndrome da imunodeficiência adquirida)

 
  • Dor

  • Mudança na cor e textura da pele do pênis

  • Crescimento ou lesão semelhante a verrugas que podem ou não ser dolorosas

  • Coceira

  • Ferida que não cicatriza

  • Erupção avermelhada

  • Inchaço

  • Corrimento persistente e fedido

  • Linfonodos inchados na virilha

 

Os primeiros sintomas geralmente são perceptíveis. Deve-se atentar também para lesões ocultas no prepúcio. Observa-se que muitos homens não dão atenção aos sintomas ou sentem vergonha de procurar o médico, o que pode atrasar o diagnóstico, diminuindo as chances de sucesso no tratamento.

O diagnóstico do câncer de pênis somente é possível por biópsia. O tipo da biópsia vai depender do tamanho e localização da lesão:

  • Biópsia incisional: parte da lesão é removida. É indicada para lesões maiores, ulceradas ou que parecem ter se espalhado profundamente no tecido.

  • Biópsia excisional: toda lesão é removida. Geralmente, esse tipo de biópsia é indicada para pequenas áreas anormais. Se a lesão estiver no prepúcio, o médico pode sugerir a circuncisão.

  • Aspiração por agulha fina (PAAF): indicada para examinar o tecido nos gânglios linfáticos. Uma agulha fina é inserida na região da virilha.

 

Também podem ser realizados exames de imagem (tomografia, ressonância, ultrassonografia, raio-x).

 

O estadiamento é a forma de classificação do tumor considerando a sua extensão e ou o quanto ele afetou os gânglios linfáticos ou outros órgãos, o que auxilia o médico na definição da melhor conduta terapêutica.

 

A cirurgia geralmente é o tratamento padrão para o câncer de pênis. Durante o procedimento, procura-se a preservação do órgão, a manutenção da função sexual e a qualidade de vida do paciente.

logo-negativo-novo.png
logo-fb.png
logo-linkedin.png
logo-youtube.png
Médico responsável: Dr. Gustavo Cardoso Guimarães - CRM/SP 80506
Copyright © Instituto de Urologia, Oncologia e Cirurgia Robótica Dr. Gustavo Guimarães. Todos os direitos reservados